terça-feira, setembro 04, 2007

Àquela refletida


























Ontem mesmo perguntava
à menina do reflexo

Hoje mesmo respondia
à mulher que não conheço

Já não me espelho mais em ti

Que fizeste com meus dias, minha esperança, minha alegria?

Meu olhar fruta madura,
Meu sorriso sem querer?

Que agora ri sem compostura
Só pra não deixar de ser

Para onde levaste o sonho,
que só teima em não deitar?
Por favor acenda a luz! Está noite pra sonhar!

E traga de volta aquela
Que sem dó
e sem espera
Me levou de mim.

4 comentários:

Dougão disse...

Po...eu gostei muito dessa... essa coisa de que cada vez que a gente se olha no espelho vemos alguém diferente, ora melhor ora pior...

Fil Porto disse...

Muito boa...o tempo na narrativa muito legal, a análise do espelho e a constatação do presente e passado...so naum gostei do pink panther aqui..ta muito gay..não corresponde a sua realidade...hahahahahahha

Caetano Penna, disse...

Como sempre são seus poemas, muito bom! Eu é que ando sem inspiração poética.

Mari disse...

Lindo, Tati!!!
Parabéns!!!
Bjs,

Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Bacharel em Letras-Português Inglês pela UFRJ - Jornalista formada pela UNESA. Por mim mesma (26/07/2007) Não sei desenhar. Não vejo novela. Não sei quem é a atriz do momento. Como a nêga, nunca fui à Bahia não. Nem quero ir. Não gosto de mate. Não faço pilates. Nem ioga. Odeio Paulo Coelho. Abomino Jabour e Mainardi. Não queria morar numa cabana. Não queria ter um iate. Queria ter menos preguiça. Queria ter menos vontade. Queria tocar piano. Queria cantar. Bem alto. Queria ler todos os livros bons. Queria ler a alma, dos maus. Queria comer chocolate e não engordar. Rir na hora de calar. Queria ter mais amigos verdadeiros Queria ter menos amores vãos. Queria ter poderes mágicos. De parar o tempo. De fazer voltar as horas. Queria ter mais vidas Pra caber tudo Que eu queria ser.