segunda-feira, janeiro 29, 2007

Tom Jobim... o maior de todos...

Não sei se fico revoltada com a Rede Globo, por não ter divulgado o especial do Tom Jobim da mesma maneira que divulga que toda terça é dia de eliminação no Big Brother, ou comigo mesma, por não ter me infomado mais. Peguei o programa já quase no final, mas a tempo de ver que a apresentadora poderia de fato ser designada assim, pois tratava-se de Camila Pitanga, e não da pseudo-atriz-mulher de diretor Fernanda Lima. Não, homens que sempre acham que temos problemas com mulheres lindas, não é isso... Aliás, a acho lindíssima, uma das modelos mais bonitas, só que modelo.. e só.. Porque ter tido que aturá-la apresentando o especial da Elis foi um esforço sobrenatural, pois via-se que sua função ali era desfilar a cada quadro diferente um novo modelito, que podia ou não combinar com o texto, mero coadjuvante... O mais irônico é que quando perguntada se possuía algum benefício por ser mulher do diretor, a beldade foi lacônica: "Ainda tenho muito a aprender, mas estou me esforçando.. " Bom, sem julgar de que maneira ela está se esforçando, com certeza esse esforço está sendo recompensador... pra ela.. porque pra nós, pobres telespectadores, assisti-la falando de Elis foi comparável a ver Cléo Pires ganhando um troféu de melhor artiz no lugar de Fernanda Montenegro... Louvada seja Camila Pitanga, que ganhou além da beleza, um grande talento..
Continuando a falar sobre o especial, o pouco que assiti fez com que me emocionasse...ver Sting cantando Tom foi maravilhoso... Lembro-me até hoje que fui eu quem deu a notícia da morte do nosso poeta ao meu pai, pelo telefone, em 1994. Tinha quatorze anos e só me lembro de ter ficado triste assim antes na morte de Gonzaguinha, a quem tive a felicidade de conhecer, apesar de ter por volta de uns onze anos somente (não me recordo a idade ao certo). O Tom eu vi apenas uma vez, em Copacabana, num almoço com meus pais, e hoje minha maior frustração é não ter assistido a um show dele. Lembro também que meu pai ficou muito abalado com a notícia, e que me arrependi de ter sido a porta-voz da mesma, ainda mais da maneira que foi...
Meu único consolo foi ter ido ao show que foi realizado no Claro Hall em homenagem a ele, que se transformou em DVD. Às vezes fico tentando escolher uma música preferida, mas fazer isso com as obras de Tom é quase impossível... O nome do meu blog já demonstra o quanto gosto de suas canções... No entanto, uma que me marcou muito foi Luiza... (tanto que penso em dar esse nome à minha filha) e posto aqui a letra... Posto também, logo em seguida, o poema de Drummond que Tom leu no especial...



Luiza

Composição: Antônio Carlos Jobim

Rua, Espada nua
Bóia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração

Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza

Poema da necessidade
Carlos Drummond de Andrade

É preciso casar João,
é preciso suportar, Antônio,
é preciso odiar Melquíades
é preciso substituir nós todos.

É preciso salvar o país,
é preciso crer em Deus,
é preciso pagar as dívidas,
é preciso comprar um rádio,
é preciso esquecer fulana.

É preciso estudar volapuque,
é preciso estar sempre bêbado,
é preciso ler Baudelaire,
é preciso colher as flores de que rezam velhos autores.

É preciso viver com os homens
é preciso não assassiná-los,
é preciso ter mãos pálidas
e anunciar O FIM DO MUNDO.

O especial "Tom Jobim: Eu sei que Vou te amar" prestou uma homenagem aos oitenta anos que o poeta estaria completando se ainda estivesse entre nós. Mas como disse Camila Pitanga, ao final do programa, parafraseando Guimarães Rosa: "Tom não morreu, tornou a se encantar".

E continuará nos encantando por muito tempo...

4 comentários:

Fil Porto disse...

São poucos os homens que investiram tão bem na MPB e até hoje são lembrados, homenageados,e como você falou, são reconhecidos internacionalmente, por Sting cantar música dele...não são poucos que possuem tão prazer em terras tupiniquins.
Quanto a globo, vc me parafraseia em partes tati, pois de certa forma escrevi no meu blog não uma crítica específica a esta emissora, mas a mídia em geral, por muitas vezes se apegarem a fatos inexpressivos e outras falar tão pouco de pessoas que tiveram maior importância em nosso cenário.
As vezes eles resolvem também reunir memoráveis da época da tropicália, buscam geraldo Vandré, caetano, dentre outros que tiveram destaque naquela época, e perseguidos foram pelos órgãos estatais da época, mas mostram com mais ênfase, até porque o Big Brother ja terá terminado quando for época de nova comemoração da tropicália.
A maior coincidência desse texto vem que eu noutro dia havia lido no jornal algo a respeito dessa celebração do falecimento de Tom, e pensei na hora em vc, pois sei que tu gostas desse seguimento...e se não me engano na GloboNews eles dedicaram um programa ao Maestro, não sei se foi esse que você viu.
Eu morei bem perto do famoso bar garota de Ipanema, na mesma rua, porém esquina com joana angélica,o bar fica em frente ao Vinicius, outro tb bem frequentado por Tom e o Próprio Vinicius.
Não conheço muito das obras de MPB como ja lhe disse, mas ja ouvi algumas coisas e achei legal, Tom ja ouvi, e concordo que para nossa cultura ja tão mesclada com a norte americana, foi uma perda lastimável seu falecimento.

Fil Porto disse...

Bem, ja que vc suscitou a questão, não mencionei a fernanda lima porque nem precisa, ela é tão inexpressiva, que po, queima o próprio filme.
Quanto a família pitanga...detesto o pai da Camila, se casou com aquele jegue da Benedita...po..mulher mais sem noção na política...enfim...mas não é aqui campo pra esse tipo de discussão, mas sim a musicalidade.
Tom, tanto quanto outros nomes, fazem parte da memória da bossa nova brasileira, e da MPB, não que estejam dissociadas mas ele se tornou um ícone tão forte, sempre associando Brasil e Rio de Janeiro, sempre embalando paixões com suas músicas com cenário ao fundo exibindo as belas paisagens de nossa cidade.
Me lembro que a globo fez uma eleição para musica que homenageasse a cidade, e o Samba do Avião foi escolhida pelo voto popular.EU de início não me amarrei muito na canção, porém hoje, mais velho e cabeçudo, ja acho bem legal, tb né..depois de começar a ouvir Elis Regina aos 26 anos...tudo é possível..hahahahahahha
ENfim, fernanda lima é uma joça, a camila pitanga ao menos tem mais desenvoltura e sabe sobre o que está falando, sem ficar desfilando altos modelitos na telinha.

Renata Sodré disse...

Escrevi um texto gigantesco aqui e quando fui publicar o comentário, deu servidor não encontrado!
Alguém merece isso?! rsrsrsrs

Bom, vou tentar resumir tudo o que eu escrevi.

Eu sou completamente apaixonada pela MPB e pela Bossa Nova, e confesso que fiquei um tanto decepcionada com o especial sobre a Elis!Além de ter achado curto demais, a apresentação insossa da Fernanda Lima, com seu sorriso superficial e suas falas semidecoradas, estragou o que tinha tudo para ser ótimo.

Quanto ao especial sobre o Tom - essa figura quase mitológica da Música Brasileira - achei muito bom, embora bem curto também.
Mas como dizem que tudo o que é bom dura pouco, não vou me ater nesse detalhe...
Camila Pitanga, além de ser a representação ideal da Garota de Ipanema, foi feliz nos seus comentários sutis e ao mesmo tempo firmes sobre Tom. Parecia que ela estava compartilhando conosco a verdadeira admiração que sentia por Tom Jobim, ao contrário de Fernanda Lima, que dava a impressão de não ter escutado sequer “O bêbado e a equilibrista". (Talvez seja engano meu...)

Assistindo ao especial e vendo Tom cantar com todas aquelas figuras brilhantes da MPB e da Música Internacional, senti uma nostalgia utópica de um tempo que infelizmente não vivi.

Concordo sem pensar duas vezes com o título do seu post.
Tom foi realmente o maior de todos!

Um grande beijo!

ps:. Vou respirar fundo e tentar criar coragem para emplacar meu blog...rs

rodrigo disse...

linda demais

Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Bacharel em Letras-Português Inglês pela UFRJ - Jornalista formada pela UNESA. Por mim mesma (26/07/2007) Não sei desenhar. Não vejo novela. Não sei quem é a atriz do momento. Como a nêga, nunca fui à Bahia não. Nem quero ir. Não gosto de mate. Não faço pilates. Nem ioga. Odeio Paulo Coelho. Abomino Jabour e Mainardi. Não queria morar numa cabana. Não queria ter um iate. Queria ter menos preguiça. Queria ter menos vontade. Queria tocar piano. Queria cantar. Bem alto. Queria ler todos os livros bons. Queria ler a alma, dos maus. Queria comer chocolate e não engordar. Rir na hora de calar. Queria ter mais amigos verdadeiros Queria ter menos amores vãos. Queria ter poderes mágicos. De parar o tempo. De fazer voltar as horas. Queria ter mais vidas Pra caber tudo Que eu queria ser.