sexta-feira, abril 10, 2009

Elis... para sempre Elis..

Acabei de ler o livro Furacão Elis hoje. Me sinto tão arrebatada como quando comecei a ler. Continuo sem saber quem foi Elis. Percebi que é impossível reconstruir a identidade de alguém, mesmo que se tenha vivido próximo a ela. Mesmo que se tenha casado com essa pessoa, convivido diariamente, tenha sido seu filho ou melhor amigo. Acho que ninguém é capaz de definir Elis. Nem ela mesmo o saberia, se estivesse viva. Sua própria mãe, em depoimento ao livro, diz que "não é porque ela morreu que direi que era um doce de coco". Ler esse livro não me fez deixar de admirar Elis, muito menos conhecê-la mais. Talvez fosse melhor nunca tê-lo lido. Para que ela ficasse assim, imaculada, para sempre. Como a eterna pimentinha Elis.

Um comentário:

Diogo disse...

Musicalmente falando, na minha opinião, a maior.Belissimo texto.bjo.

Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Bacharel em Letras-Português Inglês pela UFRJ - Jornalista formada pela UNESA. Por mim mesma (26/07/2007) Não sei desenhar. Não vejo novela. Não sei quem é a atriz do momento. Como a nêga, nunca fui à Bahia não. Nem quero ir. Não gosto de mate. Não faço pilates. Nem ioga. Odeio Paulo Coelho. Abomino Jabour e Mainardi. Não queria morar numa cabana. Não queria ter um iate. Queria ter menos preguiça. Queria ter menos vontade. Queria tocar piano. Queria cantar. Bem alto. Queria ler todos os livros bons. Queria ler a alma, dos maus. Queria comer chocolate e não engordar. Rir na hora de calar. Queria ter mais amigos verdadeiros Queria ter menos amores vãos. Queria ter poderes mágicos. De parar o tempo. De fazer voltar as horas. Queria ter mais vidas Pra caber tudo Que eu queria ser.